.
.

Tesouros da SAARA


Tesouros da SAARA

  Matéria de Clarissa Monteagudo. Fotos: Urbano Erbiste / Extra / Agência O Globo.

 Conheça o mapa gastronômico do comércio popular no Centro do Rio.

Ávidos, à caça de cordeiros, viajantes de vários pontos do Rio trançam a Rua Buenos Aires e a Senhor dos Passos. No oásis da gastronomia libanesa, as portas se abrem às 5h30m. Com céu ainda escuro, em pleno centro da cidade, brotam caldas de morangos e damascos nas mãos de trabalhadores artesanais. Miragem? Não.A Saara esconde uma mina de sabores. Para descobri-los, é preciso seguir um bem traçado mapa de restaurantes muitas vezes ocultos por discretas portinhas.

“Quem gosta da culinária árabe é o caminho. Alguns dos melhores restaurantes do Rio estão aqui” conta Denys Darzi, presidente do Polo Centro Rio, formado por 11 ruas onde se situam mais de 1,2 mil lojas e 600 escritórios em torno da Rua da Alfândega. Denys é frequentador das mesas onde o mais nobre dos ingredientes é a tolerância:

“Ao meu lado, no nosso almoço, às 11h, sentam-se muçulmanos, judeus, católicos. Não tem briga. Desde o início da Saara, não interessava se era árabe ou judeu, todo mundo se ajudava. Eram muitas dificuldades, de moradia, de idioma. Um cuidava do filho do outro, frequentava a casa. Essa união ficou.”


Hoje, reunidos no polo, restaurantes como o Cedro do Líbano e o El Gebal encantam gerações de clientes há décadas. E se orgulham de manter a tradição.


cedro-do-libano

“O restaurante tem 66 anos e está com nossa família há 60. Meu pai sempre dizia que o segredo é manter o padrão, a qualidade. Todos os pratos são feitos artesanalmente. Só temos máquina para moer carne. Não usamos processador. É tudo na peneira”, conta Lícia Domingues, do Cedro do Líbano.

 

 

 

 

 


 Nascido na Paris do Oriente Médio, o libanês Toni Haddad traz para o seu El Gebal temperos garimpados em suas viagens. “Meu pai inaugurou o restaurante em 1958. Hoje, sou o único filho que mora no Brasil. Estou sempre viajando” conta Toni.


el-gebal

Também tradicionais, casas como o Sabor Saara e o Restaurante Cristiane oferecem maravilhas como a linguiça acebolada e o maneco de jaleco, receita mineira com fubá, frango e couve rasgada, respectivamente.


“Meus clientes me viram namorar, casar, ter filho. E eu os acompanho há anos também. As pessoas gostam da comida caseira, que tem gosto”, orgulha-se Mônica Zattar.


A família da Saara é grande. E sem fronteiras. É só seguir o mapa e escolher seu tesouro.

CEDRO DO LÍBANO

De segunda a sábado, das 11h às 16h, os clientes podem apreciar pratos como o lombo de cordeiro com molho de damasco e cuscuz marroquino (R$ 78,90). Entre os doces, destaque para o folheado de nozes, o árabe baclawa (R$ 12,50).

EL GEBAL

De segunda a sexta, a lanchonete abre de 7h30m às 18h e o restaurante, das 11h às 16h. Aos, sábados as portas se fecham às 15h. Doces árabes saem a R$ 1 a unidade ou a R$ 55, o quilo. Destaque para a kafta com lentilha e tabule a R$ 32 (a carne e os dois acompanhamentos podem variar) e o cordeiro com trigo a moda, que sai a R$ 67,50.

SABOR SAARA

De segunda a sexta, o bufê funciona das 11h às 15h30 a R$ 32, o quilo até as 14h, e a R$ 29, depois. Além dos pratos do bufê, como a rabada, o rosbife de filé mignon e a dobradinha, ainda tem os deliciosos bolinhos de vagem e a linguiça acebolada.

RESTAURANTE CRISTIANE

Escondidinho, o sobrado abriga o charmoso restaurante aberto em 1976. O bufê mineiro das terças e quintas, com cozido, carne-seca à mineira e o maneco de jaleco, prato criado pelos garimpeiros de Minas, está atraindo ainda mais clientes para a casa, que costuma ter fila na porta. De segunda a sexta, das 11h às 15h30, o quilo custa R$ 23,90.

PRÍNCIPE DO SAARA

De segunda a sexta, das 11h às 16h, o restaurante oferece maravilhas como a paella, o bacalhau gratinado, além da churrasqueira completa, no bufê a quilo a R$ 52,90.




Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>